Redação em 7 Lições

Aprenda de modo fácil e descomplicado a escrever excelentes textos dissertativos para concursos públicos, vestibulares e provas do Enem. 

Com este curso, você aprende!



Artigos de Português


PORQUE, PORQUÊ, POR QUE OU POR QUÊ

por que

A forma por que constituída pela preposição por e o pronome interrogativo que, escritas separadamente, deve ser usada pelos seguintes critérios:


a. Se alguma dessas palavras — motivo, razão, ou equivalentes — estiver ou puder ser escrita na frase, imediatamente depois da forma por que. Exemplos:

Não sei por que você foi embora. (Pode-se escrever: "Não sei por que motivo você foi embora.")
Diga-me por que você desistiu do cargo! (Pode-se escrever: "Diga-me por que razão você desistiu do cargo!")
O repórter descobriu por que razão o prefeito renunciou ao cargo. (A palavra razão está escrita na frase, imediatamente depois de por que.)
A mulher confessou ao juiz por que motivo resolveu abandonar o marido. (A palavra motivo já está escrita na frase, imediatamente depois de por que.


b. Sem alteração do sentido da frase, é possível a substituição de por que por uma das expressões correspondentes: pelo qual, pelos quais, pela qual, pelas quais formadas pela sequência "preposição + pronome relativo". Exemplo:

Não desejo a ninguém os momentos por que passei naquela tarde. (Não desejo a ninguém os momentos pelos quais passei naquela tarde.)


c. Utilizada em frases interrogativas diretas (são aquelas frases em que aparece o ponto de interrogação), a forma por que também admite o acréscimo ideológico das palavras motivo, razão ou equivalentes, quando não figurarem explicitamente, é claro. Exemplos:

Por que o jogo ainda não começou? (Por que [motivo] o jogo ainda não começou?)
Por que chegaste tão tarde? (Por que [razão] chegaste tão tarde?)
Por que motivo o aluno saiu cedo? (Nesse caso, a palavra motivo já consta explicitamente da frase.)


por quê

Usa-se por quê, separado e com acento circunflexo, quando empregado em final de frases que terminam com ponto final, de exclamação, de interrogação ou, ainda, com reticências. Exemplos:

Não imagino por quê.
Não sabemos por quê!
Não quis sair? Por quê?
Ele diz não saber por quê... Finge-se de tolo.

Observe-se que a separação dos monossílabos por + quê se justifica pela possibilidade de acréscimo da palavra motivo, razão ou outra equivalente.


porque

Usa-se a forma porque com valor de conjunção causal ou explicativa:

Saí porque quis. (conjunção causal)
Choveu porque o chão está molhado. (conjunção explicativa)


porquê

A forma porquê é um substantivo e, obrigatoriamente, precedida de artigo, pronome adjetivo ou numeral. Exemplos:

Não sei o porquê de tudo isso.
Agora, entendi aquele porquê.
Esses são os dois porquês da questão.


Equipe Mundo Texto