Redação em 7 Lições

Aprenda de modo fácil e descomplicado a escrever excelentes textos dissertativos para concursos públicos, vestibulares e provas do Enem. 

Com este curso, você aprende!



Redação Dissertativa


A SOLUÇÃO DA PREVIDÊNCIA BRASILEIRA É MOLEZA

Fonte: Gazeta do Povo, Renato Follador


A previdência brasileira tem solução fácil, desde que o fu­­tu­­ro governo não pretenda fazer reformas radicais. A saída são ajustes pontuais, dispondo de instrumentos constitucionais e legais já existentes.

Vamos lá. Na previdência dos servidores públicos só há uma saída: a capitalização dos regimes próprios. Sem possibilidade de aumentos expressivos do número de servidores, pela não necessidade, já que o Estado brasileiro deve se limitar às atividades essenciais, e pelas limitações da ótima Lei de Responsabilidade Fiscal, não há como se manter o financiamento por repartição simples, no qual os servidores em atividade, em número cada vez menor, financiam os aposentados e pensionistas, em número cada vez maior.

Assim, a estratégia de 'segregação da massa', que prevê que todos os futuros servidores, e talvez os mais jovens, tenham suas aposentadorias financiadas por um regime financeiro que acumule as suas e as contribuições dos entes federados em fundos de capitalização é a única saída para evitar o colapso. O equilíbrio financeiro e atuarial pagaria de aposentadoria exatamente o que se poupou de contribuições, sem ter de se recorrer aos Tesouros para cobrir déficits como os existentes hoje. Só receberá a integralidade quem contribuir para ela.

Os estados que começaram mais cedo, como o Paraná, já têm R$ 9 bilhões preservados em 10 anos na Paranaprevidência, dinheiro blindado contra a gula governamental de curto prazo, mostrando que é possível ter poupança de longo prazo no setor público, desde que bem estruturada.

O que falta fazer? A União dar o exemplo, criando seu fundo, e acabar com a balela da previdência complementar no serviço público. Além de não ser solução técnica, pois o déficit de 90% dos entes federados tem a ver com servidores que ganham até o teto do INSS, a medida é antipática ao corporativismo do serviço público e têm enormes restrições para aprovação. A capitalização traz mais segurança ao servidor e permite que ele participe da administração de seu Fundo de Previdência, o que interessa a todo servidor.

Já com relação ao Regime Geral de Previdência Social, administrado pelo INSS, a solução se divide em dois grupos: para os atuais trabalhadores e para os futuros.

Para os atuais, basta o governo continuar a aumentar o poder aquisitivo do salário mínimo que, em 30 anos, ninguém vai se aposentar com mais de 3 salários. A média de aumento real dos últimos 10 anos foi de 2,4%. Isso projetado, permite afirmar que, em 15 anos, o teto do INSS corresponderá a cinco salários. E, em 40 anos, a três salários. A previdência oficial, na maioria dos países, se resume a três salários.

Já, para os novos trabalhadores, o INSS teria como teto também somente três salários desde já. As alíquotas de contribuição atuais seriam reduzidas à metade para trabalhadores e patrões. No entanto, a outra metade seria, obrigatoriamente, destinada a uma previdência privada de livre escolha do trabalhador, sem liquidez até o momento da aposentadoria pelo INSS, propiciando uma aposentadoria privada entre três e sete salários. Para além disso, restaria a previdência privada voluntária já conhecida.

Para um país que depende de aumento substancial da poupança privada pessoal para poder investir e manter patamares elevados de desenvolvimento econômico, teríamos duas novas fontes de reservas de logo prazo: a dos fundos dos servidores públicos e a previdência privada obrigatória do setor privado.

Por outro lado, até como forma de educar o segurado brasileiro, haveria, conforme o ministro Gabas já sugeriu, a separação contábil do que é assistência social do que é previdência social.

Por fim, a previdência social tem de buscar o equilíbrio financeiro e atuarial, portanto não pode prescindir do fator previdenciário, aliás, muito mais inteligente que uma idade mínima que teria de ser permanentemente repactuada nos parlamentos, mas acho adequado dar ao trabalhador a opção da não aplicação do fator para o cálculo da aposentadoria inicial. Seria implantada a proposta do deputado Pepe Vargas da fórmula 95/85.

O trabalhador que, somados idade e tempo de contribuição, atingisse o fator 95, e a trabalhadora 85, teriam a sua aposentadoria inicial calculada pela média corrigida dos 80% melhores salários de contribuição de 1994 até a data da aposentadoria, sem uso do fator previdenciário.

Tenho certeza de que essa proposta tenderia a alcançar, no longo prazo, o equilíbrio financeiro e atuarial dos regimes previdenciários, propiciaria um redirecionamento para previdências capitalizadas, diferentes dos contratos sociais que existem hoje na Constituição Federal, que garantem aposentadorias para quem contribuir, mas não valores a serem pagos. O INSS, que já chegou a pagar 20 salários, hoje se restringe a, no máximo, 6,7 salários.

Por tudo que expus, discordo plenamente das propostas de 'terra arrasada' ou 'utópicas' de unificação das previdências social e de servidores. O ótimo sempre foi inimigo do bom e, em nosso país, do ponto de vista de financiamento, nossas previdências não são nem regulares, mas muito ruins.

Fim

Voltar ao Índice

Redação dissertativa 179: Tema: previdência.Tópicos: redação dissertativa pronta, previdência brasileira, previdências social, previdência dos servidores públicos, previdência complementar.