Mundo Texto




SAÚDE NÃO TEM PREÇO

Redação dissertativa pronta sobre: saúde, mercado de saúde no Brasil, saúde pública, Serviço Único de Saúde (SUS), laboratório de análises clínicas.

Saúde, bem-estar e qualidade de vida são assuntos cada vez mais presentes no dia a dia do brasileiro. O aumento da expectativa de vida, o envelhecimento populacional e a maior incidência de doenças crônicas, como obesidade e diabetes, impulsionou o crescimento do mercado de saúde. Neste cenário, os exames de análises clínicas são de fundamental importância. Além de essenciais para o diagnóstico e o tratamento de qualquer patologia, eles são úteis também para a medicina preventiva, já que muitas doenças podem ser evitadas antes mesmo de se manifestar ou em seus estágios iniciais. Mas a saúde pública parece não dar a eles o devido valor.

A tabela do Serviço Único de Saúde (SUS) que determina os preços de exames realizados pelos laboratórios de análises clínicas não é atualizada há mais de duas décadas. Desde 1994, o valor pago para um exame de glicose – essencial para detectar hiperglicemia, hipoglicemia e diabetes – por exemplo, é de R$ 1,85. Para um exame parasitológico de fezes, o valor é de R$ 1,65. O que fazemos hoje em dia com menos de R$ 2? Imagine, então, um laboratório de análises clínicas.

Além de profissionais especializados para colher, analisar e fornecer um laudo sobre os testes, os laboratórios ainda têm custos com toda a estrutura para o atendimento adequado do paciente e com materiais básicos, como seringas, luvas, algodão, reagentes e equipamentos – que são, em sua maioria, importados. Todos esses itens tornam o valor pago pelo SUS irrisório. A tabela atual nem sequer leva em conta a inflação que tivemos no período.

O impacto disso vai muito além da questão econômica. Pequenos laboratórios, principalmente os do interior, não conseguem sobreviver e acabam fechando as portas ou sendo incorporados por grandes grupos. Lá na frente, isso pode causar danos ao bolso do consumidor, já que, na mão de poucos, é o mercado que dita o preço. Mas mais importantes ainda são os impactos na saúde. Sem verba para investir em tecnologia e aperfeiçoamento, muitos laboratórios não priorizam a qualidade do serviço, o que pode comprometer o trabalho dos médicos. E com saúde não se brinca.


Créditos: http://www.gazetadopovo.com.br - Marcos Kozlowski, com modificações nossas para fins didáticos